(31) 2104-3000 cromg@cromg.org.br

Notícias

Exmo Senhor Secretário,

Estes profissionais, pela natureza de sua ocupação, trabalham em extrema proximidade das principais vias de transmissão do vírus, qual sejam as cavidades bucal e nasal de seus pacientes. Ainda que, em uso de material de proteção individual, o risco de contágio a que estão submetidos, bem como suas famílias, supera o de qualquer outra categoria profissional. Desta forma, apelamos ao seu elevado espírito público, no intuito de solicitar que os profissionais de Odontologia de Minas Gerais sejam incluídos na cobertura vacinal da Campanha contra o vírus Influenza H1N1. O CROMG se coloca a inteira disposição para cooperar e participar do esforço de campanha, comprometendo-se a ceder o espaço físico e pessoal de sua Sede em Belo Horizonte e em 14 Delegacias Regionais no interior do Estado. Pela relevância do tema no seio da categoria, aguardamos com ansiedade a manifestação de V. Exa, antecipando agradecimentos e renovando protestos de elevada  estima e consideração. Arnaldo de Almeida Garrocho, CD        Luciano Eloi dos Santos, CD Presidente CROMG   Presidente SOMGE   ...
Leia Mais

 

O CROMG APELA À SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE MINAS GERAIS PARA ESTENDER A VACINAÇÃO À TODOS OS PROFISSIONAIS DA ODONTOLOGIA

 

    Conforme orientação da Secretaria Estadual de Saúde, não serão vacinados contra a gripe H1N1 grupos de profissionais de saúde fora da rede pública, ou seja, os médicos , enfermeiros,cirurgiões-dentistas, recepcionistas, motoristas, etc.

    Serão vacinados todos os profissionais das diversas áreas, inclusive os Cirurgiões-Dentistas, os Técnicos em Saúde Bucal, os Auxiliares em Saúde Bucal que trabalham em Estabelecimentos da Rede Pública de Saúde, primordialmente expostos ao risco de contágio em situações de epidemia.

    Ainda assim, o CROMG está apelando à Secretaria de Estado da Saúde, a fim de que a vacinação seja estendida a todos os profissionais de odontologia de Minas Gerais.

    Abaixo, divulgamos a Nota de Esclarecimento da SES/MG, divulgada a todas as Regionais do Estado, Municípios e Postos de Saúde e Hospitais.

        MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDEDEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICACoordenação-Geral do Programa Nacional de imunizaçõesSCS, Quadra 4, Bloco A, Edifício Principal.Brasília/DF, CEP: 70.304-00Tel.: (61) 3213-8297   Nota de esclarecimento                   Com o objetivo de esclarecer sobre o perfil dos trabalhadores de saúde (TS) que serão contemplados na 1ª etapa da estratégia de vacinação da influenza pandêmica (H1N1) 2009, que ocorrerá no período de 08 a 19 de março/2010 e considerando a diversidade de entendimento, informamos o que segue:·         Para esta estratégia serão considerados os serviços cujos trabalhadores de saúde estão sob potencial risco de contrair a infecção pelo vírus influenza pandêmica (H1N1) 2009, pelo contato com possíveis suspeitos da doença, especialmente aquele trabalhador cuja ausência pode comprometer o funcionamento do serviço.·         Consideramos TS aquele profissional de serviços de saúde, públicos e privados, que atuam na atenção básica (estratégia saúde da família e unidades no modelo tradicional), pronto atendimento, ambulatórios e leitos em clínica médica, pediatria, obstetrícia, pneumologia de hospitais de emergência e de referência para a influenza pandêmica (H1N1) 2009 e unidades de terapia intensiva, que na experiência de 2009 receberam casos suspeitos e confirmados de influenza pandêmica ou que venham a receber na próxima onda pandêmica. Os profissionais de laboratório que realizam os ensaios clínicos para sorologia do diagnóstico da infecção pelo vírus da influenza pandêmica (H1N1) 2009, as equipes de vigilância em saúde que atuam no gerenciamento da resposta à pandemia e na investigação de casos que estão sob potencial risco de contrair a infecção pelo H1N1 e os que desenvolvem ações nos Distritos Sanitários especiais Indígenas (DSEI).·         A medida não somente evitará a interrupção da cadeia de transmissão profissional-paciente-profissional, como também contribuirá para a manutenção da infra-estrutura do serviço de saúde para atendimento a população.·         Esta definição foi consensuada entre o MS, CONASS, CONASEMS, as Sociedades Científicas e entidades de profissionais de saúde (CFM, AMB, ABEn) e outras.·         Reforçamos a pertinência do envolvimento de associações de profissionais, sociedades científicas, da direção dos serviços de saúde e dos gestores na mobilização dos trabalhadores para melhor operacionalizar a vacinação.  Reiteramos os objetivos da estratégia nacional de vacinação:Manter o funcionamento dos serviços de saúde envolvidos na resposta à pandemia e diminuir a morbimortalidade associada à influenza pandêmica (H1N1) 2009.   Grupo Estratégico Operacional da Vacinação contra a Influenza Pandêmica H1N1 2009. ...
Leia Mais

Esta notícia vale para os municípios brasileiros que ostentam números positivos em políticas de saúde bucal. Termina no próximo dia 28 de fevereiro o prazo de inscrição para concorrer ao Prêmio Brasil Sorridente/Conselhos de Odontologia.

Criada em 2005 pelo Conselho Federal e Regionais de Odontologia, a premiação tem o apoio da Coordenação de Saúde Bucal do Ministério da Saúde e o patrocínio da empresa de equipamentos odontológicos Dabi Atlante.

Única iniciativa nacional nessa área, o Prêmio abrange municípios de três faixas populacionais: até 50 mil habitantes; entre 50 e 300 mil; e com população acima de 300 mil habitantes.  A prefeitura classificada em primeiro lugar de cada grupo receberá um consultório, fornecido pela Dabi.

A entrega da premiação acontece no dia 23 de abril, no Rio de Janeiro, durante a solenidade de aniversário dos Conselhos de Odontologia.

 Critérios Para concorrer, a prefeitura deve obter a melhor pontuação em 10 critérios. Além de uma boa cobertura populacional alcançada pelo atendimento odontológico, o município precisa apresentar números satisfatórios na relação entre habitante/cirurgião-dentista da rede pública/carga horária mensal, assim como na relação entre equipes de Saúde Bucal e equipes da Estratégia de Saúde da Família. A prefeitura precisará comprovar que possui o número de policlínicas e de Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) adequado às necessidades do município. Também serão exigidas “a realização de exames epidemiológicos de cárie dentária e doenças bucais na população acima de 12 anos, nos últimos três anos” e “menor índice epidemiológico de cárie dentária em escolares até 12 anos, obtido de acordo com as normas da OMS (Organização Mundial de Saúde)”. Um critério que pode fazer a diferença é o relacionado ao “desempenho na promoção a saúde bucal do escolar, dos pacientes com necessidades especiais, do idoso, da gestante, do bebê, prevenção, diagnóstico precoce e encaminhamento para tratamento do câncer bucal”. Completam a lista os seguintes itens: programas de educação continuada aos profissionais de saúde bucal da rede pública; promoção de concurso público ou processo seletivo para contratação; melhores condições salariais e de trabalho; e acesso adequado da população ao sistema público de abastecimento de água fluoretada com acompanhamento do teor de flúor (heterocontrole)”. O prêmio O prêmio nasceu como a meta de divulgar nacionalmente os bons exemplos de gestão em saúde bucal no âmbito dos municípios. Seu nome do Prêmio foi inspirado no programa Brasil Sorridente, do governo federal, que entre 2003 e 2010 terá investido aproximadamente R$ 3,5 bilhões em ações de atenção à saúde bucal. A implantação dos Centros de Especialidades Odontológicas (CEO) e a ampliação das Equipes de Saúde Bucal (dentro da Estratégia Saúde da Família) estão entre os principais resultados do programa. Para consolidar os avanços obtidos pelo programa, é necessário o comprometimento dos municípios na implantação de políticas públicas nessa área. Inscrições Presidente da Comissão do Prêmio, o conselheiro do CFO Mário Tavares Moreira Júnior lembra às prefeituras que ainda há tempo de participar. “Basta entrar em contato com o Conselho Regional de Odontologia de seu Estado e informar, junto com a devida documentação comprobatória, que os critérios da premiação são atendidos pelo município”, diz. Portanto, ainda há tempo de se juntar a Araguaína (Tocantins), Duque de Caxias (Rio de Janeiro), Caratinga (Minas Gerais) e Campo Grande (Mato Grosso do Sul), municípios vencedores das primeiras edições do Prêmio Brasil Sorridente/Conselhos de Odontologia.   Mais informações no hotsite do Prêmio: www.cfo.org.br/premio-as-prefeituras ...
Leia Mais